quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Caixa de Pandora - Desmistificando o Artigo



Após longos meses de muitas guerras, brigas, idas e vindas. Resolvi “aceitar” a transição.

O problema não era aceitar como homem, isso eu já tinha muito claro em minha mente. Sempre enxerguei esse homem. E isso era um diferencial em nossa relação, até mesmo porque sempre achei diferente de qualquer relação “lesbo” que vivenciei. Contudo, esse homem só existia em nossas fantasias, em momentos íntimos. E agora eu teria que ceder espaço. Pois bem. Como fazê-lo?

A primeira das mudanças eu acredito que seja a mudança do “artigo”. E nessa fase me surge inúmeras dúvidas e questionamentos:

E o que é esse bendito artigo? Porque ele é tão importante para a construção e adequação do gênero? E que raios de palavrinha tão difícil de ser pronunciada?

O bendito do artigo, nada mais era que deixar de ser “ela” para ser “ele”. Fácil? Não!

Não entendia a necessidade de ser chamado assim, de ter que me adaptar para acalentar seu “ego”. Era assim que eu erroneamente pensava. Que era por ego, vaidade e até mesmo para se sentir o macho alfa. BALELA!! 

Entendi que isso era necessário para a adequação ao gênero. Que é uma forma de respeitar a identidade que sempre teve. E que quando eu não fazia ou faço (Confesso, que ainda não uso 100% o artigo masculino. Tenho me esforçando. Rs!) vou de contra sua natureza e de certa forma “ofendendo sua existência” .

Imagine a situação onde uma mulher “cis” é confundida e chamada de “Senhor” ao invés de “Senhora” como esta se sentiria? Imagine isso na frente de milhares de pessoas. No mínimo se sentiria exposta e até mesmo ridicularizada, correto?

 O mesmo sentem os “transhomens”, que na maioria das vezes são socialmente obrigados a responderem ao artigo feminino por conta do corpo que apresenta.

 Nesse momento você pode se perguntar, mas o porquê usar o artigo se ainda não tem uma imagem masculina? Também me questiono isso às vezes. E por vezes questionei a ele se não poderíamos usar apenas quando fizesse a transição ou a hormonização. E sabe qual a resposta obtive? “Não se trata de aparência e sim de como eu me sinto. Sinto-me homem e não faz sentido continuar sendo tratada como mulher, apenas por ainda ter o corpo de uma.”

Isso nada mais é que respeitar a vontade de cada individuo. Cada ser tem suas particularidades.  Talvez “nós” que estamos do outro lado da moeda, não entendemos e nunca vamos entender a importância de se adequar o artigo. E de verdade? Acho que não precisamos entender ou ficar numa busca incessante por respostas. Tem coisas que jamais terão respostas.

A maior resposta é ver o olhar de alegria, felicidade e paz estampado em sua face ao ver que usei o artigo masculino de maneira leve. Sem rancor ou mágoas. É ver que não é um artigo que irá apagar anos  de convivência ao lado dele. É sentir que ao chama-lo assim, ele se sente inserido na sociedade da maneira que sempre desejou. E dessa vez inserido da forma correta que é respeitando seu gênero.

Sei que não é fácil e que não é tão florido quanto parece. Que na prática é bem diferente. Contudo, só posso dizer que TENTE. Caso não consiga, respire fundo, comece novamente e explique suas limitações. O importante é estarem juntos nessa viagem. É uma transição dual. E necessita de muitas conversas. Com o tempo tudo se ajeita e se adéqua. Com muito amor e respeito tanto para com ele, que está em processo, quanto para você que está como coadjuvante.

Posso dizer que estou em processo de transmutação. Estou transmutando todos os meus preconceitos, medo, raivas e ódios.  Para que juntos possamos encontrar a felicidade plena de nossas realizações individuais e como casal.


Até a próxima descoberta.

Dama Sahi

7 comentários:

  1. para aqueles q ñ conhecem e ñ entendem o porque é sempre bom ouvir o outro pois só assim verá o quanto é importante para nos sermos tratados como homens pois é o q somos apesar da aparência física mas depois q começamos a transformação através dos hormônios a mudança física ajuda bastante o q nos deixa muito felizes depois vem a cirurgias para completar o nosso renascimento para uma nova vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E até a cirurgia acontecer o caminho é longo.

      Excluir
  2. Olá, parabéns pela sua atitude... Será uma ótima leitura.
    Eu fiquei bastante magoado com uma ex namorada minha, que, após o término do nosso relacionamento, ela voltou a me tratar no feminino. Eu não sei o por quê disso, já que ela demonstrava aceitar muito bem tudo. Acho que me envolvi com uma pessoa problemática.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá meninos. Sejam bem vindos!!

      Excluir
    2. obrigado querida! por nos dar a oportunidade d podermos nos expressar e podermos também dividir com vc nossos dramas vc ñ esta sozinha nesta luta,mas te digo q se vc o ama ñ desista.

      Excluir
    3. Paulo, sou imensamente grata ao apoio que estou recebendo. Contudo, tenho tantas coisas a dizer e sei que nem sempre serão bem aceitas. Porém, preciso dizer, com respeito, é claro. Mas, preciso! Você não está sozinho!

      Excluir